CLIQUE

É preciso preservar vidas sem sacrificar a economia

Atualizado: Abr 2

Ao mesmo tempo que milhares de pessoas morrem vítimas da Pandemia em nosso país, outros milhares de comerciantes fecham suas portas. Para impedir que este cenário se agrave ainda mais, a CNC defende o funcionamento

seguro do comércio.


Após pouco mais de um ano em que o Brasil começou a enfrentar a luta contra o coronavírus, era possível acreditar que o pior já tinha acontecido. A vacinação deixou de ser uma promessa e passou a ser uma realidade muito mais próxima.


Mas enquanto a quantidade de imunizados não avança de uma forma que aplaque o aumento de infectados e também o número desenfreado de brasileiros que perdem suas vidas todos os dias, é preciso tomar medidas rígidas que evitem qualquer tipo de aglomeração, mas que ao mesmo tempo não impeçam o funcionamento do comércio formal.


“A vacinação nos enche de esperança, mas, até que todos nós estejamos imunizados, precisamos garantir a vida das pessoas e também a sobrevivência dos negócios, que geram emprego e renda. Os comércios precisam funcionar com consciência e responsabilidade, respeitando sempre os protocolos de prevenção”, afirma o presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), José Roberto Tadros.


Uma medida que traga segurança sem tirar a confiança

Essa crise perdura há mais de um ano, sem uma previsão eminente de chegar ao fim. Já são mais de 270 mil famílias devastadas pela perda de seus ententes queridos. E além de todo impacto na saúde, não há como ignorar os fortes prejuízos gerados na economia.


Um recente levantamento da CNC aponta que mais de 75 mil lojas fecharam suas portas em 2020. Foi a maior retração registrada desde 2016, quando o comércio ainda amargava com os efeitos da maior recessão da história recente do país. Além disso, no ano passado, o varejo brasileiro também sofreu com a queda das vendas (-1,5%) e do nível de ocupação (-25,7 mil vagas formais).


De acordo com a entidade, é possível buscar uma maneira de preservar vidas sem sacrificar mais ainda o comércio. E essas medidas já estão sendo tomadas pelos empresários, que investiram em todas as adequações sanitárias necessárias.


Como representante de um dos setores que mais geram emprego no Brasil, a categoria defende que é preciso manter o funcionamento integral do comércio formal, sem redução nos horários. A abertura parcial das lojas causa um efeito contrário, pois gera horários de picos, que contribui para a aglomeração de pessoas.


Fiscalizar mais para fechar menos

Representantes do comércio consideram fundamental fazer um trabalho integrado para permitir que a economia continue girando, ao mesmo tempo que a segurança sanitária seja totalmente respeitada. Enquanto o comércio trabalha para seguir todas essas medidas, as autoridades devem priorizar uma fiscalização contínua e rigorosa para evitar que ocorram aglomerações, festas clandestinas e assegurar o uso adequado da máscara de proteção.


Medidas de proteção para o comerciante


Mesmo com todas as dificuldades que os comerciantes enfrentam para manter suas portas abertas e evitar a demissão dos funcionários, um outro desafio das micro e pequenas empresas é o custo do dinheiro.


Preocupada com esta situação, desde o início do ano passado a entidade trabalha em ações que possam amortizar os problemas sofridos pelo setor. A CNC sugeriu ao governo federal medidas nos âmbitos trabalhistas, tributário, financeiro e jurídico. O principal objetivo é garantir a manutenção de empregos por meio da desburocratização para obtenção de créditos junto às instituições financeiras.


Entre as propostas realizadas para garantir um cenário mais favorável aos empresários, o governo divulgou no início de março, a decisão de prorrogar por mais três meses o prazo para o pagamento dos empréstimos que foram concedidos pelo Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Ponompe). Esse adiamento, solicitado pela CNC, é um importante reforço para a sustentabilidade financeira dos estabelecimentos e também do emprego de milhares de pessoas em todo país.

 
ÃNUNCIO DESIGN.jpg
ÃNUNCIO DESIGN.jpg
Navegue pela web
faceVERDE redondo PNG.png
whatsapp novo3.png
logo real certo.png

Siga-nos no FACEBOOK e receba as notícias em tempo real no Feed do seu facebook.

logo real certo.png

EXPEDIENTE

REVISTA REAL NOTÍCIAS

A Revista Real Notícias foi fundada em primeiro de junho de 2020,.

O veículo é completamente digital, com suporte nas redes  sociais. Atuação nos canais: Facebook - Twitter - Instagram e You tube.

Direto Presidente: Carlos de Mello 

Vice Presidente: Damasceno Henrique

Jornalista Responsável: Carlos Hemrique

Colaboradoes:

Kelly Barros - Colunista de Moda

Cmte. Diniz - Notícias da Caserna

REVISTA REAL NOTÍCIAS - AV. HENRIQUE LOTTE , 50 - BARRA DA TIJUCA - RJ - BRASIL - SITE DESENVOLVIDO POR DESIGN GRÁFICO REAL - 00029291712