CLIQUE

Amazonia 1 abre novos horizontes para indústria nacional de sistemas e equipamentos aeroespaciais

Satélite conta com tecnologias como geradores solares, sistemas de propulsão, câmeras, antenas e um gravador digital de dados, todas desenvolvidas no país


Com o sucesso da missão de lançamento do Amazonia 1, primeiro satélite de observação da Terra 100% projetado, testado, integrado e operado nacionalmente, o Brasil passa a dominar o ciclo completo de desenvolvimento e operação desses equipamentos e abre novos horizontes para empresas do setor aeroespacial. Cerca de 60% dos recursos orçamentários para o desenvolvimento do satélite foram destinados aos contratos firmados com a indústria nacional para o desenvolvimento e fabricação de subsistemas e equipamentos.


Composto por um módulo de carga útil e um de serviço, o satélite conta com geradores solares, sistemas de propulsão, câmeras, antenas e um gravador digital de dados, todos desenvolvidos no Brasil. Segundo Célio Vaz, presidente da Orbital Engenharia, responsável pelos geradores solares, o mercado internacional valoriza não somente expertise, mas a quantidade de ‘horas de voo’ dos equipamentos no espaço.



Criada em 2000, a empresa já forneceu produtos para outros satélites do INPE/MCTI, como o CBERS 2B, CBERS 3 e CBERS 4 e 4A e hoje já exporta soluções. “Nessa área de espaço não basta apenas saber fazer, mas conta a experiência. Nós exportamos painéis de cubesat para a iniciativa privada na Inglaterra. Isso significa que a barreira do histórico de voo começa a cair. Para nós, participar de uma missão bem-sucedida como a do Amazonia 1 é motivo de orgulho e o coroamento de todo nosso esforço e trabalho de anos. Com o trabalho de desenvolvimento estamos gerando empregos da alta especialização e competência”, afirma.


Lançado em 28 de fevereiro, pelo Satish Dhawan Space Centre, em Sriharikota, na Índia, o satélite foi muito comemorado por autoridades nacionais que viajaram à Índia. Todas ressaltaram também as novas possibilidades para empresas aeroespaciais do Brasil.


“O Amazonia 1 é um satélite de produção nacional, desenho nacional. É importante ressaltar que isso não é um trabalho de uma pessoa, é um trabalho de um time muito grande, um lançamento desse ele congrega muitos esforços. O fato da própria construção, o fato de nós termos no satélite a plataforma multimissão que pode ser utilizada para outros satélites, isso nos dá a possibilidade de ter a indústria trabalhando no Brasil nesse desenvolvimento que vai ser utilizado em satélites com outras finalidades também”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

“Posso afirmar que esse dia representa a consolidação de um processo de ganho de conhecimento e maturidade para o Brasil na área de desenvolvimento de satélites – e esse dia é um divisor de águas – estamos mais uma vez cumprindo nossa missão, colocamos em órbita um dispositivo que atende as demandas nacionais de monitoramento da Amazônia brasileira e aumenta nosso conhecimento no sentido de permitir o monitoramento de nossas safras”, ressaltou o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI), Clezio de Nardin.


“Esse satélite é um marco em inúmeros sentidos e um marco também na plataforma multimissão, tanto pelo o histórico do projeto, sua importância e retorno que o projeto promoverá para a sociedade – e um retorno também de criação do mercado espacial – o que é algo importante para todos nós”, disse o presidente da AEB, Carlos Moura.


Amazonia 1: Satélite de sensoriamento remoto 100% nacional


As imagens captadas pelo satélite serão usadas para monitorar o desmatamento da Amazônia, regiões costeiras do país, desastres ambientais, reservatórios de água e florestas. O satélite faz parte de uma missão que prevê o lançamento de outros dois satélites, o Amazonia-1B e Amazonia-2.


O Amazonia 1 é o primeiro construído a partir da Plataforma Multimissão (PMM), estrutura inovadora desenvolvida pelo INPE/MCTI, capaz de se adaptar aos propósitos de diferentes missões e, assim, reduzir custos de projetos espaciais. A plataforma conta com subsistemas de controle de altitude, órbita, propulsão, gerador solar, suprimento de energia e estrutura mecânica que garantem a operação do satélite em órbita.


O satélite pesa cerca de 640 kg, tendo 2,5m de altura, e uma envergadura de aproximadamente de 7,5m com os painéis solares abertos. Equipamentos a bordo, interconectados através de 6km de cabos, os painéis solares possuem mais de 6m² de área que permite gerar uma potência da ordem de 1.000 watts, até o fim de sua vida útil.


Embora o Brasil já tenha lançado seis satélites de sensoriamento remoto, o Amazonia 1 é o primeiro completamente projetado, integrado, testado e operado pelo nosso país. Sua construção representa um saldo tecnológico e um grande feito para as instituições públicas envolvidas, a indústria nacional e o programa espacial brasileiro. Isso permite adquirir mais autonomia para atuar em missões dessa categoria e a capacitação e avançar rumo às missões espaciais mais complexas. Significa também ganho de capacidade para trabalhar em todas as etapas, em todos os subsistemas de missões em parcerias nacionais ou internacionais.

 
ÃNUNCIO DESIGN.jpg
ÃNUNCIO DESIGN.jpg
Navegue pela web
faceVERDE redondo PNG.png
whatsapp novo3.png
logo real certo.png

Siga-nos no FACEBOOK e receba as notícias em tempo real no Feed do seu facebook.

logo real certo.png

EXPEDIENTE

REVISTA REAL NOTÍCIAS

A Revista Real Notícias foi fundada em primeiro de junho de 2020,.

O veículo é completamente digital, com suporte nas redes  sociais. Atuação nos canais: Facebook - Twitter - Instagram e You tube.

Direto Presidente: Carlos de Mello 

Vice Presidente: Damasceno Henrique

Jornalista Responsável: Carlos Hemrique

Colaboradoes:

Kelly Barros - Colunista de Moda

Cmte. Diniz - Notícias da Caserna

REVISTA REAL NOTÍCIAS - AV. HENRIQUE LOTTE , 50 - BARRA DA TIJUCA - RJ - BRASIL - SITE DESENVOLVIDO POR DESIGN GRÁFICO REAL - 00029291712