anuncio cabeçario site.png
Buscar

Argentinos sofrem com inflação de 100% e buscam lixões para sobreviver

Argentinos que enfrentam taxa de inflação superior a 100% este ano estão lutando para sobreviver, recorrendo à reciclagem de lixões ou fazendo fila para trocar pertences em clubes de troca.


O país deve registrar o maior aumento nos preços este ano, desde um período de hiperinflação por volta de 1990, um caso extremo mesmo em um mundo que luta amplamente para controlar a inflação, impulsionada pela invasão russa à Ucrânia.


"Minha renda não é mais suficiente", disse Sergio Omar, que passa 12 horas por dia vasculhando montanhas de lixo de um aterro sanitário em Lujan, a 65 quilômetros da capital Buenos Aires, em busca de papelão, plástico e metal para vender.



Omar, de 41 anos, afirmou que os custos dos alimentos aumentaram tanto nos últimos meses que ficou difícil alimentar sua família de cinco filhos. Ele disse que um número crescente de trabalhadores informais vai ao depósito de lixo para encontrar qualquer item que possa vender na luta pela sobrevivência.


"O dobro de pessoas está vindo aqui porque há muita crise", disse ele, explicando que pode ganhar entre 2 mil e 6 mil pesos (US$ 13 a US$ 40) por dia vendendo lixo reciclável.


Há um século, a Argentina era um dos países mais ricos do mundo. Mas, nos últimos anos, passou de uma crise econômica para outra e tem lutado para manter a inflação sob controle.


Agora, os preços estão subindo no ritmo mais rápido desde a década de 90, com os problemas causados pela impressão de dinheiro e ciclos viciosos de aumento de preços por empresas, agravados por aumentos globais nos custos de fertilizantes para agricultura e importação de gás.


A inflação deve subir 6,7% apenas em setembro, disseram analistas consultados pela Reuters, antes dos dados oficiais que devem ser divulgados nesta sexta-feira. Isso levou o Banco Central a elevar a taxa de juros para 75%, com a possibilidade de outras altas.


Os níveis de pobreza foram superiores a 36% no primeiro semestre de 2022 e a pobreza extrema subiu para 8,8%, cerca de 2,6 milhões de pessoas. Os programas de bem-estar do governo ajudaram a evitar que ela subisse mais, mas ainda há alguns pedidos de mais gastos sociais, apesar dos fundos estatais limitados.


Em 2001, durante uma das piores crises econômicas da Argentina, Sandra Contreras criou o Lujan Barter Club.


A entidade está decolando novamente, pois os argentinos, incapazes de acompanhar os preços, procuram trocar itens como roupas velhas por um saco de farinha ou macarrão.

"As pessoas chegam muito desesperadas, seus salários não são suficientes, as coisas estão piorando a cada dia", disse Contreras, acrescentando que elas começam a fazer fila duas horas antes da abertura do clube de trocas, todas as manhãs