Siga-nos no FACEBOOK e receba as notícias em tempo real no Feed do seu facebook.

face preto redondopng.png
face preto redondopng.png

Bolsonaro quer Exército 'preparado' para proteger Amazônia

Pelo terceiro dia consecutivo, presidente também silenciou sobre a vitória

eleitoral de Joe Biden nos Estados Unidos


O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta terça-feira, 10, o País ter suas Forças Armadas "preparadas" para proteger a Amazônia de interesses internacionais. Como revelou na segunda o Estadão, em documentos internos do Conselho da Amazônia Legal, o governo atribui à China interesse nos recursos naturais da região, especialmente a água.


"Para (Amazônia) ser nossa tem que ter uma Forças Armadas preparada. É igual você ter uma riqueza. Se não tiver segurança, você vai perder essa riqueza", afirmou o presidente no Palácio da Alvorada, após ser questionado por um apoiador sobre qual mensagem gostaria de dar ao mundo sobre a Amazônia.


O documento do Conselho da Amazônia, órgão comandado pelo vice-presidente, Hamilton Mourão, ressalta que, na crise global da água, a situação já é crítica na República Popular da China, na Índia, no México e na região do Chifre da África - que abrange Somália, Etiópia, Eritreia e Djibouti. Nesses países, segundo o governo, os lençóis freáticos registram queda de um metro por ano, acima da taxa natural de reposição, o que aponta grave crise em 20 a 25 anos.



Como o Estadão revelou nesta segunda-feira, o conselho traçou objetivos para a região da Amazônia. Entre eles, a criação de um "marco regulatório" para controlar as Organizações Não-Governamentais (ONGs) que atuam na região. Segundo documentos entregues a membros do conselho, a meta é impedir a atuação na floresta de ONGs que não atendam aos "interesses nacionais".


Na sua conversa com apoiadores na manhã desta terça, Bolsonaro também criticou a atuação de entidades. "As ongs continuam a vontade na Amazônia. Querem que eu vá lá e tire na unha os caras?", afirmou, em resposta a um apoiador que pediu ajuda para garimpeiros.



Ao falar no Alvorada, o presidente não tratou da suspensão da vacina chinesa, a Coronavac, a qual, em uma rede social, atribui casos de mortes, anomalias e invalidez, mesmo sem apresentar qualquer prova. Os testes com o imunizante produzido em parceria com o Instituto Butantã, ligado ao governo de São Paulo, se tornou alvo de disputa política entre o presidente e o governador paulista, João Doria, seu adversário político.


Pelo terceiro dia consecutivo, Bolsonaro também silenciou sobre a vitória eleitoral de Joe Biden nos Estados Unidos. O presidente brasileiro é um dos poucos líderes no mundo a não parabenizar o democrata, que derrotou Donald Trump, atual presidente e aliado de Bolsonaro. O americano judicializou a disputa e ainda não admitiu ter perdido a reeleição.

 
ÃNUNCIO DESIGN.jpg
ÃNUNCIO DESIGN.jpg

Siga-nos no FACEBOOK e receba as notícias em tempo real no Feed do seu facebook.

face preto redondopng.png
face preto redondopng.png

CLIQUE

CLIQUE

Navegue pela web
logo real certo.png
  • Facebook - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza
  • YouTube - círculo cinza
  • Grey Instagram Ícone

REVISTA REAL NOTÍCIAS - AV. HENRIQUE LOTTE , 50 - BARRA DA TIJUCA - RJ - BRASIL - SITE DESENVOLVIDO POR CARLOS DE MELLO MARQUES - 00029291712