anuncio cabeçario site.png
Buscar

Cyberdog: este é o cão robô que está programado para ser amigável

Xiaomi não trouxe grandes celulares para o MWC 2022, mas tem um cachorro robótico projetado para auxiliar idosos ou pessoas com deficiência


“Vamos acordar Albert”, diz o funcionário da Xiaomi. E assim acontece. O corpo de plástico e metal, com as costas cinzentas reluzentes, estendido no chão, de repente se anima. Ela ganha vida, ou melhor, movimento. Suas pernas parecem muito finas até que ele começa a andar e esmaga o chão com elas com passos marciais. Na cabeça tem duas rodadas, uma lente binocular que deixa espaço no meio para uma câmera com Inteligência Artificial (o cérebro fica entre os olhos).




As referências que temos de cães robóticos não são particularmente agradáveis. Uma das mais conhecidas é a da Boston Dynamics , a empresa que se tornou propriedade do Google, que depois a revendeu ao grupo japonês Softbank e depois passou para as mãos da Hyundai. O primeiro projeto dessas máquinas quadrúpedes foi nada menos que aterrorizante. Uma posterior, mais estilosa e funcional, era menos assustadora. Mas seus movimentos ainda eram o oposto de dar confiança às pessoas.



O Cyberdog da Xiaomi mostra que é uma versão mais evoluída. Ele é baixo – está a cerca de meio metro do chão quando coloca as quatro patas – e gestos amigáveis ​​foram programados para ele. É controlado remotamente com um aplicativo móvel. Embora no futuro a empresa espere que possa ser regida por comandos de voz, segundo EL PAÍS Fabio Arena, diretor de marketing de produtos da Xiaomi. Ou seja, seria algo semelhante a dar ordens ao seu cachorro (o de agora, o de carne e osso) só que até a inteligência artificial entenderia melhor seus desejos.


Este cão robótico pode andar e correr com uma certa velocidade, virar-se sobre si mesmo, até dar um salto mortal, de acordo com seus demonstradores (embora seja tentado a dizer manipuladores lá). Às vezes tem um ponto ameaçador: é difícil salvar o vale estranho, hipótese que dita que quanto mais parecidos os robôs são com formas animais, especialmente humanos, mais inquietação eles geram em nós. Quando o Cyberdog se ergue em seus quartos traseiros motorizados, você não sabe se é algum tipo de ato de obediência, como se estivesse implorando por comida, ou se vai se lançar como uma besta robótica do apocalipse. Felizmente, na demonstração que a Xiaomi fez para a imprensa, sempre pareceu mais a primeira.



No entanto, longe de ser aterradora, uma das futuras aplicações desta máquina de latas enquadra-se na assistência a idosos ou pessoas com deficiência. Pode acompanhar alguém, pois graças ao seu elenco de câmeras e inteligência artificial identifica quem deve seguir. Também pode ajudar a carregar até três quilos de peso nas costas, seja a compra do dia ou qualquer outra necessidade.


Nem tudo será caridade. Outros casos de uso possíveis serão a segurança, como fazer as rondas que um guarda de segurança faria em uma propriedade industrial. Claro, ouvir essa criatura se aproximar à noite com seus cliques eletrônicos e pisadas tensas pode ser um grande impedimento.


Trabalha com câmeras e microfones, seus sentidos para capturar o ambiente, que processa usando inteligência artificial com hardware Nvidia. Quanto aos sensores, muitos deles têm a marca Intel, confirma Fabio Arena.

Essa máquina é capaz de despertar um “oooh” tingido de ternura em seu público quando, em sua perfeita imitação do animal de estimação bem treinado, levanta uma pata para entregá-lo a alguém. Isso não significa que, antes da execução da saudação, a sala de demonstração fique em silêncio por um momento. Um segundo mínimo de expectativa na asfixia para ver o resultado. Para descobrir se aquela criatura era capaz de um gesto de amor para com os humanos quando surgisse a oportunidade. Se não de amor, pelo menos de boa vontade. Uma garantia de paz selada com aquela saudação, que assegura às pessoas que o quadrúpede robótico é uma máquina amigável.




No momento, é vendido na China para desenvolvedores, para que possam inventar casos de uso. Está tudo aberto. E a máquina é mais barata do que você imagina: o equivalente a 1.500 euros. Para a próxima geração de seu cão robótico, a Xiaomi está testando sensores para incorporar cheiro artificial, de acordo com o diretor de marketing de produtos da Xiaomi. Assim, a máquina seria capaz de detectar o cheiro de cebola ou alho.


Este espécime eletrônico tem pouco a ver com as referências que temos da ficção, que não nos ajudam a sentir afeto pelos canídeos robóticos. Uma de suas manifestações mais recentes na tela veio na forma de Black Mirror , no episódio 'Metalhead' da quarta temporada . Com performances de pesadelo como essas, não é fácil se apaixonar por essas criaturas. Desculpe, máquinas, às vezes você esquece.