google-site-verification=lbjueM2tO1RF8DU_YVArfBjlwLINtJ5N-0i3bpcVFVo
top of page
Post: Blog2_Post

Gênio de apenas 14 anos é contratado para empresa de Elon Musk

Atualizado: 14 de jul. de 2023

Segundo o Pós PhD em neurociências, Fabiano de Abreu Agrela, garoto tem QI necessário para ser aceito nas mais restritas sociedades de alto QI


Com apenas 14 anos, o estudante Kairan Quazie está prestes a terminar uma licenciatura em engenharia da informática na Universidade de Santa Clara, nos Estados Unidos, e já tem vaga garantida na SpaceX, uma das principais empresas de Elon Musk.


O jovem já dava sinais de suas altas habilidades desde muito pequeno. Aos dois anos, já era capaz de formular frases completas. Aos nove, ingressou na faculdade e, aos 10 anos, conseguiu um estágio em uma empresa de tecnologia.


No final de julho, Kairan dará um novo passo importante na sua carreira, se mudará para Washington, acompanhado por sua mãe, para iniciar sua jornada como engenheiro de software na SpaceX.


O QI de Kairan foi testado acima do percentil 99,9 quando estava na 3ª série do ensino fundamental, e sua inteligência emocional (QE) também foi descrita como “surpreendentemente alta”.


De acordo com Fabiano de Abreu Agrela, pós PhD em neurociências membro da Society for Neuroscience nos Estados Unidos, Kairan Quazi tem potencial para ingressar nas mais restritas sociedades de alto QI.



“O QI do menino é tão alto, que se encaixa em sociedades como Triple Nine Society e The Thousand, onde só aceitam pessoas com 99.9 de percentil", diz Abreu.


Quanto às habilidades precoces de Kairan, Abreu ressalta que as habilidades de crianças superdotadas variam muito, mas que o ambiente influencia bastante nos rumos que a criança irá trilhar.



“Nem todos têm a mesma sorte deste menino, pois é necessário nascer em países como Estados Unidos para ter esse tipo de oportunidade. E existem os de muito alto QI que não se adaptam ao mundo acadêmico, ser autodidata e ter que cumprir as regras do meio acadêmico é um grande desafio”, afirma Abreu. Em países como Brasil e Portugal, ter alto QI é uma ameaça, enquanto que para os países do norte da Europa, ter alto QI é visto como oportunidade", completa.

Comentarios


bottom of page