Inflação na Argentina atinge 58% ano a ano em clima de crescente conflito social

Milhares de piqueteros contrários ao Governo marcham de todo o país à Praça de Maio sob o lema "trabalho e salário"


Os movimentos piqueteros argentinos tomaram as ruas. Milhares de pessoas convergiram na Praça de Maio, em frente à Casa Rosada, sob o lema "trabalho e salário". Eles chegaram à capital argentina de todo o país, como parte de uma grande "marcha federal" que buscava enfrentar o governo de Alberto Fernández. A manifestação coincidiu com a divulgação de um novo índice de inflação, o grande mal da economia do país sul-americano. De acordo com o Indec, órgão que compila as estatísticas oficiais, o IPC de abril subiu 6%, e já chega a 58% em relação ao ano anterior, no qual é o pior acumulado desde 1992.


A inflação é a variável que mais atinge os mais pobres. A alta do IPC foi especialmente dura para os alimentos, que até este mês apresentavam recordes acima da média. Em março, subiram 7,2%, meio ponto a mais que o índice geral. Este mês eles subiram 5,9%, apenas um décimo abaixo.


“Viemos de Jujuy [extremo norte da Argentina] para exigir trabalho e salários decentes. Os trabalhadores rurais, mesmo os que estão em branco, ganham abaixo da cesta familiar, são salários de fome”, diz Benjamín Rodríguez, membro do Sindicato Argentino de Trabalhadores Rurais e Estivadores. Um trabalhador rural ganha hoje cerca de 60.000 pesos (menos de 500 dólares, pelo valor oficial), 30.000 pesos abaixo da renda que uma família precisa para não ser pobre na Argentina , segundo o piso elaborado pelo Indec. Rodríguez denuncia que o reajuste salarial acordado para seu setor este ano é de 47%, quando a inflação deve ficar em torno de 60%, o que será um duro golpe para o já reduzido poder aquisitivo dos trabalhadores rurais.





"Não se pode estudar com fome", diz uma faixa erguida por professores vestidos com o jaleco branco que distingue professores e alunos das escolas públicas argentinas. Mariel Chávez, professora primária, diz que desde 2018 até agora há cada vez mais casos de crianças que chegam à escola com fome e para quem a comida que recebem é o prato principal do dia. "Alguns querem repetir e não podem, porque não há mais", denuncia. Muitas famílias também não têm renda suficiente para comprar material escolar ou roupas adequadas para seus filhos. “Há meninos que usam sapatos grandes demais para eles, porque os herdam de seus irmãos e não têm outros do seu tamanho”, diz. 37% da população argentina é pobre, mas o número sobe para 51% nos menores de 15 anos.



“Villa 31″, “Villa 32″, “Villa 21-24″, “Oculta”, pode ser lido sob cada bandeira do Polo Obrero exibida na coluna que entrou na Plaza de Mayo do Obelisco. Esses números identificam as favelas de Buenos Aires e seus arredores, nas quais a maioria de seus habitantes sobrevive graças a subsídios estatais com os quais complementam o que obtêm de changas , pequenos empregos informais. Nos últimos 12 meses, a renda desses trabalhadores aumentou 41,6%, quase 17 pontos percentuais a menos que a inflação.


A alta dos preços tem sido de dois dígitos por ano desde a saída da conversibilidade do peso com o dólar, em 2002. Nenhum governo, de esquerda ou direita, encontrou a fórmula para baixá-la. A questão subjacente é o déficit fiscal crônico sofrido pelo Estado argentino. Dependendo da trajetória ideológica em que se encontre o atual presidente, será financiado com questão monetária (caso do Kirchnerismo) ou com endividamento (como fez Mauricio Macri entre 2015 e 2019). Hoje, a Argentina não pode fazer nem uma coisa nem outra: as taxas de juros que deve pagar a mantêm fora dos mercados internacionais de crédito e a questão monetária está no limite. Somente em 2021, o Tesouro transferiu 2,1 trilhões de pesos para o Estado nacional, o equivalente a 4,8% do PIB.


O governo de Alberto Fernández não tem outro caminho senão reduzir o déficit, uma estratégia acordada com o Fundo Monetário Internacional. De acordo com o texto assinado com o Fundo para refinanciar pagamentos de 44,5 bilhões de dólares, a Argentina reduzirá seu vermelho de 3% para 0,9% do PIB em 2025. O ajuste é repudiado pela perna kirchnerista da coalizão governamental. A ex-presidente e atual vice-presidente, Cristina Kirchner, considera que a redução de gastos resultará em menos ajuda social e aniquilará as chances eleitorais do peronismo em 2023. Para Alberto Fernández, por outro lado, o caminho é o da prudência fiscal, o única forma de sustentar o crescimento econômico registrado após a pandemia.


O PIB da Argentina cresceu 10,3% em 2021, mesmo acima da queda de dez pontos registrada em 2020. "Estamos crescendo muito na economia, estamos gerando muitos novos empregos formais, mas está nos custando muito corrigir a distribuição de renda , e a inflação tem muito a ver com isso”, disse o presidente Fernández em entrevista coletiva realizada em Paris, onde se reunirá nesta sexta-feira com seu colega Emmanuel Macron. "E mesmo quando incentivamos a paridade [negociações salariais] para resolver esse problema e que os salários estão acima da inflação, temos que trabalhar todas as causas que a geram", disse.






Entre as causas identificadas pelo governo, e também pelo FMI, estão os subsídios à energia, estratégia iniciada pelo governo de Cristina Kirchner para conter a inflação. O Estado paga hoje grande parte da fatura grossista de gás e eletricidade para que os aumentos não sejam repassados ​​às famílias. No ano passado, o número chegou a 2,3% do PIB. Este ano será pior, devido à alta dos preços internacionais. O Executivo Fernández propôs como solução a retirada gradual dos subsídios de acordo com o nível de renda das famílias, começando pelos 10% mais ricos, que devem pagar a conta inteira. Para os setores médio e baixo também haverá aumentos de taxas. O kirchnerismo não quer nada com a retirada dessas ajudas. A guerra é fratricida.


"Os aumentos supõem a aplicação da segmentação, que os 10% mais ricos, que se beneficiam de subsídios, deixem de ser subsidiados", disse Fernández. “São aumentos vinculados à evolução dos salários na Argentina. Eles nunca podem ser maiores que o aumento salarial do povo, sempre será um percentual menor. Isso não é uma imposição do Fundo, fazemos porque tem que ser feito, é difícil pensar que a economia pode subsidiar os mais ricos em termos de energia”, explicou.

22 visualizações