google-site-verification=lbjueM2tO1RF8DU_YVArfBjlwLINtJ5N-0i3bpcVFVo
top of page
Post: Blog2_Post

Meta desmantela redes de contas falsas pró-governos de Cuba e Bolívia

Nas contas, eram publicadas notícias falsas que desacreditavam opositores e criavam feitos dos governos de Cuba e da Bolívia



A Meta, empresa controladora do Facebook, informou nesta quinta-feira (23) que desmantelou redes de contas falsas em Cuba e na Bolívia, vinculadas aos governos desses países e que eram usadas para divulgar mensagens pró-governo e desacreditar opositores.


As redes operavam de forma independente em cada país e o conteúdo alcançou centenas de milhares de pessoas antes de ser retirado do ar após uma investigação interna concluída no quarto trimestre de 2022.


“Eles tentaram esconder quem estava por trás disso, mas nossa investigação encontrou vínculos com o governo cubano”, disse Ben Nimmo, líder global da Inteligência sobre Ameaças da Meta, em uma videoconferência com a AFP. Uma situação semelhante ocorreu no caso da Bolívia, acrescentou Nimmo.


A investigação levou a vínculos com o governo de esquerda, com o partido governista Movimiento al Socialismo (MAS), após seu retorno ao poder em 2020, e a um grupo que se autodenomina "Guerreiros Digitais", segundo ele. A Meta já eliminou em novembro de 2021 uma "fazenda de trolls" operada na Nicarágua.



No caso da Cuba socialista, que por décadas foi um dos países menos conectados do mundo, a Meta desativou 363 contas no Facebook, além de 270 páginas e 229 grupos, e de 72 no Instagram. A operação incluiu outras redes sociais como YouTube, TikTok e Twitter.


Na Bolívia, cerca de 1.600 contas, páginas e grupos que operavam em bunkers em La Paz e Santa Cruz foram desativados.


“Eles coordenaram seus esforços para usar contas falsas, postar apoio ao governo boliviano e criticar e assediar a oposição”, disse David Agranovich, diretor da Disrupção de Ameaças, também na conferência.


A Meta disse que não apresentou esses dados aos governos cubano, ou boliviano, porque descobriu que eles estavam "vinculados" a essas atividades.


Na operação em Cuba, a Meta identificou dois atores. O primeiro foi apelidado de "líder de torcida falsas" por Nimmo e usava "contas básicas falsas para compartilhar e curtir conteúdo do governo". O segundo, “mais elaborado”, envolveu a criação de identidades irreais “para publicar críticas aos opositores do governo” na ilha e no exterior.


“Algumas dessas contas usam fotos de perfil que provavelmente foram geradas por Inteligência Artificial, ou seja, fotos de pessoas que não existem”, disse ele.


Agranovich especificou que cerca de 650.000 pessoas seguiram uma, ou mais páginas, da rede cubana, e cerca de 510.000 aderiram aos grupos. O caso boliviano envolveu pouco mais de dois milhões de contas que seguiam as páginas.


Nimmo destacou que, depois de derrubar a rede em Cuba, seus autores tentaram substituí-la. "Parte do trabalho não é apenas derrubá-la, mas manter a pressão para dificultar a construção de uma audiência", explicou.

Comments


bottom of page