Nova variante do coronavírus detectada na África do Sul acumula mais de 30 mutações

Essa versão do vírus apresenta alterações que trazem maior capacidade de contágio e de contornar as defesas humanas


A nova variante do coronavírus detectada em 22 de novembro na África do Sul é “muito preocupante”, segundo o diretor do centro de resposta a epidemias do país, Túlio de Oliveira. Esta perturbadora versão do vírus, que foi batizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com a décima quinta letra do alfabeto grego ômicron, “parece espalhar-se muito rapidamente e em menos de duas semanas dominará todas as infecções”, avisou. Atualmente, a variante já responde por 75% dos genomas analisados no país. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou esta sexta-feira que o bloco vai fechar as suas fronteiras aos voos da África do Sul.






Muitos países, como Reino Unido, Japão e Israel, anunciaram em poucas horas que limitarão as conexões aéreas com o país. A epidemiologista britânica Susan Hopkins disse na sexta-feira que a nova variante é “a mais preocupante” até o momento, em declarações à estação BBC Radio 4. O bioquímico americano Jesse Bloom publicou análises preliminares afirmando que a ômicron será, em relação a evitar anticorpos, a “mais bem-sucedida do que qualquer coisa que vimos até agora”. Bloom, do Centro de Pesquisas Fred Hutchinson, sublinhou em suas redes sociais que isso “não significa que a variante escapará completamente dos anticorpos gerados pela vacina ou por uma infecção anterior”, já que para isso são necessárias “muitas mutações” e porque, além disso, as defesas humanas possuem outras armas, como os linfócitos T, glóbulos brancos que destroem as células infectadas pelo coronavírus. Como enfatiza Comas, “a resposta imunológica é muito mais complexa do que os anticorpos”.





4 visualizações