anuncio cabeçario site.png
Buscar

O censo provisório da Argentina registra que há quase três milhões a mais de mulheres do que homens

A população do país sul-americano aumentou quase 18% nos últimos 12 anos, para 47,3 milhões de pessoas

Os habitantes da Argentina são 47.327.407, segundo os primeiros dados do censo de 2022 , realizado na última quarta-feira. A população do país cresceu acima das projeções oficiais. É quase 18% superior ao do último censo, realizado em 2010 , quando 40,1 milhões de pessoas viviam na Argentina, e é 30% superior ao registrado no início do século, quando o país tinha 36,2 milhões de pessoas. população.


A disparidade entre os sexos cresceu nos últimos doze anos e a diferença já está próxima de três milhões, segundo dados provisórios. 47,05% dos habitantes da Argentina são homens, um total de 22,2 milhões, contra 52,8% das mulheres, 25 milhões. Pela primeira vez, os entrevistados puderam responder que não se identificavam com nenhum desses dois gêneros, mas com outro, opção indicada por 0,12% da população, 56.793 pessoas. As porcentagens de homens e mulheres são derivadas das respostas obtidas na modalidade digital do censo, às quais respondeu pouco mais da metade da população.


Em 2010, a Argentina tinha um milhão de mulheres a mais que homens: 20,5 milhões contra 19,5 milhões. A diferença foi explicada pelo excesso de mortalidade masculina em todas as idades, principalmente após os 70 anos, dada a maior expectativa de vida das mulheres.



A possibilidade de responder antecipadamente às perguntas censitárias pela Internet — opção escolhida por 50,3% da população — agilizou a coleta de dados e também facilitará seu posterior processamento.


O Instituto Nacional de Estatística e Censo informou que em 90 dias divulgará dados preliminares discriminados por sexo, província e localidade e será necessário esperar até o próximo ano para conhecer os dados finais e fazer uma radiografia precisa da Argentina em 2022.


Entre as novidades do censo, ele destacou a inclusão pela primeira vez nos formulários de todo o país de questões relacionadas à identidade de gênero e afrodescendentes e indígenas. Referentes de ambas as comunidades confiam que os dados obtidos contribuirão para a definição de políticas públicas voltadas para essas populações.



"Hoje dizemos quem somos, com quem vivemos, o que fazemos e assim o INDEC conseguiu tirar uma foto que nos servirá muito para o futuro", disse o presidente argentino Alberto Fernández em uma aparição pública. É a primeira vez que pessoas em situação de rua são entrevistadas e questionadas sobre identidade de gênero. São passos enormes”, acrescentou Fernández.