Os homens estuprados na guerra colombiana quebram o silêncio

A violência sexual no conflito armado colombiano deixou marcas e efeitos indeléveis também em milhares de homens. Um grupo de 81 deles decidiu tornar-se visível com a entrega esta quinta-feira de um relatório à Jurisdição Especial para a Paz (JEP) no qual relatam os horrores que sofreram devido a esta prática criminosa que se sabe ter causado tanto danos às mulheres.

Nelson Toscano tem 24 anos e decidiu falar abertamente e sem medo dos dois estupros que sofreu quando menor; a primeira vez, dois paramilitares quando eu tinha nove anos; e o segundo, guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) aos 17 anos.

As mulheres na Colômbia foram em uma magnitude inimaginável as principais vítimas de violência sexual no contexto do conflito armado colombiano. O Cadastro Único de Vítimas (RUV) indica que das 31.495 pessoas cadastradas, 92,58% são mulheres. Mas na guerra colombiana, em menor grau, os homens também foram submetidos à violência sexual. 5,81% dos cadastrados pelo RUV são homens, ou seja, 2.140.



Nelson Toscano é um deles e durante anos escondeu o que lhe aconteceu. Ele foi estuprado duas vezes. O primeiro por paramilitares quando ele tinha nove anos. A segunda aos 17 pelos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) . Ele cresceu nos arredores da cidade de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela, onde o conflito armado foi vivenciado e é vivenciado com grande intensidade. “Os paramilitares assassinaram meu pai. Todos os dias eu via mortos, desaparecidos e há a fronteira com a presença de todos os grupos armados ligados ao narcotráfico”, explica.


A violência sexual contra as mulheres no conflito armado colombiano tem sido uma prática sistemática cometida por todos os atores armados, incluindo a polícia e o exército, afetando milhares e milhares de mulheres. Eles estão se mobilizando há algum tempo contra essa violência que sofreram de forma inimaginável.

Toscano agora vive em Bogotá. Ela não gosta de voltar para sua terra natal porque traz lembranças ruins, mas já fala abertamente sobre sua história, sobre como foi o primeiro estupro com a cumplicidade de um tio dela quando ele pediu para ela supostamente acompanhá-lo para comprar algumas pinturas. Sua avó lhe deu permissão. Já no carro, percebeu que tinha algumas armas para entregar. Na entrega, ele o deixou esperando por muito tempo com dois homens. “Quando meu tio voltou eu contei pra ele chorando o que aconteceu e ele me ameaçou dizendo que era melhor eu ficar quieto e não contar a ninguém se eu não queria ver minha avó morta”, lembra. Oito anos depois, aconteceu novamente. Eu estava trabalhando com um amigo descarregando materiais de construção. Em uma viagem de carga foram parados pelos guerrilheiros do ELN. Eles os detiveram, pintaram grafites no caminhão e os levaram para uma fazenda abandonada. “A partir daquele dia, mantenho uma cicatriz no braço depois de tentar resistir.


Quando me deixaram, encontrei meu amigo chorando e ele me disse que também havia sido estuprado. Não aguentei mais e vim para a capital. Ele se matou meses depois."



O de Germán Mosquera (nome alterado) é outro caso. Ele não parece ter 64 anos. Ele nasceu em uma aldeia na região de Chocó, no Pacífico colombiano. Ele viveu toda a sua vida em meio ao desastre, mas criava galinhas, tinha porcos, plantava arroz, cortava bananas e pescava todos os dias. Assim que os grupos armados entraram, tudo acabou, diz ele.


Um dia em 2004, guerrilheiros das FARC chegaram à sua casa. Eles mataram seu filho mais velho na frente dele, então ele viu sua esposa sendo estuprada e ela o viu sendo estuprado. “Aquele que resistiu foi amarrado e fez o que queria. Era isso ou a morte. Depois de me estuprar, eles me marcaram cortando um pedaço da minha orelha com uma faca.”


Eles não tiveram chance de sair e dias depois, outros homens das FARC voltaram para casa para repetir a mesma coisa. Ele diz que o acusaram de ajudar os paramilitares.paracos passou e pediu um copo d'água”, explica resignado.


Para Toscano, quando um homem é estuprado, a primeira coisa que ele busca é proteger sua masculinidade. “As vítimas do sexo feminino me explicaram que a primeira coisa que uma mulher faz é separar o ser mulher de seu corpo.


Há uma intenção de sair desse corpo, de não reconhecê-lo, de não cuidar dele. E isso afeta seu físico e suas emoções.


Por outro lado, o homem quer sobretudo resguardar essa parte do macho e tenta não dar a conhecer para que a sua masculinidade não seja posta em causa.



Mosquera, por sua vez, tenta esquecer. “Com minha esposa eu nunca falo sobre isso. Ela já havia sido estuprada antes e minhas filhas, com 12 e 16 anos na época. Tudo isso era segredo. Quando me estupraram pela segunda vez, me escondi no mato e assim que pudemos nos mudamos para Bogotá”. Dói ser deslocado. Ele está na capital há 16 anos, mas a cidade o estressa. “A vida aqui é dura. Primeiro sentimos o racismo e nunca encontrei emprego. Eu queria ser varredor, mas por causa da minha idade eles nunca me aceitaram. Refugiei-me na Igreja. A palavra de Deus e a Bíblia é o que sustenta um. Quanto à minha saúde, nunca fui ao médico, mas dói toda vez que vou ao banheiro”, diz.


Efeitos diferenciados

María Ángeles Escobar também quer deixar claro que as mulheres são mais afetadas. “Nos homens, o problema das hemorroidas é amplamente identificado, mas muitas mulheres sofrem com gestações, fístulas vaginais, mordidas nos seios, mutilações... Sofra".


A Rede de Mulheres Vítimas e Profissionais, em parceria com a equipe de abordagem de gênero da UIA, vem trabalhando com essas vítimas há algum tempo. Eles o fizeram promovendo grupos focais de homens, mulheres, homens GBTI, mulheres trans, mulheres indígenas e jovens vítimas de recrutamento forçado. Essa estratégia permitiu identificar que os impactos e consequências dessa prática na guerra são vivenciados de forma diferenciada a partir de identidades diversas.


Mobilização das mulheres da Rota do Pacífico contra a guerra e a violência sofrida pelas mulheres.

Por sua vez, a PEC é um mecanismo de justiça de transição com uma abordagem restaurativa criada no âmbito dos Acordos de Paz entre o Governo e as guerrilhas das FARC para satisfazer os direitos das vítimas à justiça, oferecer-lhes a verdade e contribuir para a sua reparação. Tem capacidade para julgar os possíveis crimes e atos criminosos cometidos pela Força Pública e pelas FARC no contexto do conflito.



Pilar Rueda, do JEP, reconhece os esforços das vítimas e organizações em torno da necessidade de abrir macrocasos de violência sexual. “De todo esse processo, fico com o fato de que as vítimas se tornaram empoderadas e organizadas. A PEC está a fazer progressos na inclusão da violência sexual nos macrocasos e acredito que aí se possa desenvolver uma metodologia que nos permita compreender o papel dos diferentes intervenientes neste tipo de abuso durante o conflito e que já daria uma resposta às vítimas”.

514 visualizações