Buscar

População de jovens de 15 a 21 anos começará a cair a partir de 2021

O país deverá assistir a uma redução drástica da população na faixa etária de 15 a 29 anos nas próximas décadas, o que terá forte impacto sobre a economia, o mercado de trabalho e a Previdência, alerta estudo feito pela FGV Social


O Brasil verá a população de jovens de 15 a 29 cair, a partir de 2021, em níveis sem precedentes na história do país, após se manter por quase duas décadas com pouco mais de 50 milhões de pessoas nessa faixa etária. O contingente jovem pode chegar ao fim do século reduzido quase à metade, diminuindo as possibilidades da prosperidade da nação, de acordo com a pesquisa Juventudes que Contam: Percepções e Políticas Públicas, da FGV Social. Os impactos serão crescentes na economia, principalmente no mercado de trabalho e na Previdência Social, de acordo com o economista Marcelo Néri, diretor da entidade.


“O Brasil terá que enfrentar a questão fiscal, sem esquecer das desigualdades. A queda na população jovem é uma tendência que já vinha acontecendo, mas se agravou com a pandemia. Com isso, teremos, pela primeira vez, falta de mão de obra. Se o país voltar a crescer, terá de investir em treinamento e produtividade, incentivar os mais velhos a voltar ao mercado e achar o caminho entre a sustentabilidade econômica e a social”, disse Neri.

Sem jovens, os mais velhos também sofrerão, já que a Previdência Social é solidária — as contribuições dos que trabalham bancam a renda de quem já “vestiu o pijama”, alerta o economista. Pelos dados da pesquisa, hoje, o país tem 49,95 milhões de jovens entre 15 e 29 anos. Em 2060, terá 34,43 milhões e, em 2100, 26,62 milhões.


No entanto, o Brasil não desce a onda jovem sozinho. Até 2060, o percentual de jovens vai diminuir em 95% dos 201 países com projeções populacionais. Atualmente, o Japão tem o menor percentual de jovens do mundo (14,7%), seguido por Itália (15%), Espanha (15,3%), Grécia (15,9%) e Portugal (15,9%).






Prioridades

A pesquisa investigou também quais são os sentimentos da juventude brasileira, o que não é tarefa simples, segundo Marcelo Neri. “Indicadores positivos (como felicidade e alegria) e negativos (preocupação e raiva) pioraram muito na grande recessão e em 2020, na pandemia. Indicadores negativos pioraram também em 2019, esta é a diferença a ser ressaltada”, disse.


A onda de otimismo dos jovens pode levar à frustração com o futuro, alerta. A pesquisa aponta que a média de “felicidade futura” do brasileiro de 15 a 29 anos é de 9,3, índice superior ao de qualquer outro país pesquisado.


A mais alta prioridade dos jovens brasileiros (85,2%) é educação de qualidade. Serviços de saúde vêm em segundo lugar (82,7%). Na população adulta não jovem, isto é, aqueles com 30 anos ou mais, as prioridades são as mesmas, mas em ordem invertida: saúde (86,6%) e educação (80,5%). A alimentação de qualidade (70,1%) é a terceira menção mais frequente.






“Incidentalmente estes três elementos representam no campo das políticas públicas os três componentes do Índice de Desenvolvimento Humano da ONU”, ressalta Neri. Governo honesto e atuante aparece como a quarta prioridade dos jovens no Brasil, com 63,5%.


Samuel Amorim, 22 anos, estudante, manifesta insatisfação com a falta de vacina para todos durante a pandemia. “Os rumos da saúde são bem incertos. Na educação e na segurança não é diferente. Isso gera pouca esperança para um futuro”, assinalou. “No momento, trabalho com marketing digital, para mim mesmo. Sobre meu futuro, eu já quis ter filhos, porém não é algo que eu quero hoje em dia, e nem penso muito sobre o assunto”, contou.


O produtor audiovisual, Mateus Fraga, 25, tem pouca esperança em relação ao futuro. “ Há muitas gerações, não vemos perspectivas boas para um futuro com saúde, segurança e educação. Falta foco na educação, em políticas públicas que olhem adequadamente o problema. Por exemplo, a maneira que o Brasil pretende, hoje, tratar a segurança, apenas com militarização, não é benéfica”, afirmou.

*Estagiárias sob supervisão de Odail Figueiredo


Fique atento à malha fina


Após o fim do prazo da entrega da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF), a Receita Federal já divulgou as formas que o contribuinte tem para saber se caiu na malha fina. Quem cometeu erros ou enviou o documento com dados incorretos ou com inconsistências, pode acessar o Centro de Atendimento Virtual (e-CAC) do Fisco para fazer a correção. Para ter acesso ao site, o cidadão deve informar ou o certificado digital, se tiver, o login no Portal Gov.br ou digitar o número do CPF ou do CNPJ, o código de acesso e a senha.


Quem não tiver o código de acesso, ou se o código estiver vencido, precisa digitar os números dos recibos das duas últimas declarações entregues ao Leão e gerar novo código. Quem está declarando pela primeira vez, precisa apenas do número do recibo deste ano. De acordo com o supervisor do Programa do Imposto de Renda, José Carlos Fonseca, cerca de 1,8 milhão de declarações, das 34,2 milhões enviadas, deverão ser retidas na malha fina.


Mas o número deve cair pela metade, até o pagamento do último lote de restituição, no fim de setembro, pelo envio das declarações retificadoras — se a retificação for feita até esse prazo, o contribuinte evita intimação ou investigação da Receita. Ao entrar no e-CAC, o contribuinte deve acessar “Meu Imposto de Renda”. Na parte superior, do lado direito, acessar “Serviços em Destaque”.




Em seguida, vai aparecer a linha do tempo, com todas as declarações entregues. Na de 2021, é possível descobrir o que está pendente e fazer a regularização. Quem está com tudo em dia, receberá a mensagem “Em fila de restituição”, indicando que não há mais pendências. Quem tiver recebido a restituição, verá a mensagem “Processada”. Nesse ano, a Receita pagará em cinco lotes. O primeiro foi depositado no último dia 31, os demais serão em 30 de junho, 30 de julho, 31 de agosto e 30 de setembro. (VB)

1 visualização
 

Mais Notícias