anuncio cabeçario site.png
Buscar

Sargassum, a maré marrom que ameaça a costa do Caribe: veio para ficar?

Especialistas fornecem as chaves para este fenômeno que bateu recordes este ano e se tornou uma das grandes preocupações ambientais das zonas costeiras da região



O sargaço , a maré marrom que está invadindo a costa caribenha e destruindo seu ecossistema, é um fenômeno que já foi avistado durante as primeiras expedições europeias que cruzaram o Atlântico para chegar ao continente americano. Mais de seis séculos atrás, com medo de que seus navios ficassem presos nas ervas marinhas, alguns exploradores documentaram esses prados flutuantes no meio do mar. Mas na última década, este fenómeno está a atingir as regiões costeiras, tornando-se uma ameaça para o setor do turismo.


Tudo começou no verão de 2011, quando proliferações em massa começaram a se acumular nas praias de muitos destinos com águas cristalinas e areia branca. O México foi um dos primeiros países a denunciá-lo, mas esse problema ambiental, letal para muitas espécies e com efeitos prejudiciais à saúde humana, afeta quase toda a região do Caribe. Este ano, a quantidade de sargaço já atingiu números históricos no Atlântico: em junho, mais de 24 milhões de toneladas dessa maré marrom foram registradas na costa caribenha, de Porto Rico a Barbados, segundo relatório do laboratório de oceanografia de a Universidade do Sul da Flórida.




O que é sargaço?

Sargassum refere-se ao crescimento descontrolado das espécies Sargassum fluitans e S. natans , macroalgas de cor acastanhada que vivem em suspensão nos mares e se deslocam arrastadas pelo mar Atlântico pelas correntes oceânicas. A maioria das macroalgas vive presa ao fundo do mar, com suas raízes enraizadas nas profundezas. "Mas essas duas espécies são pelágicas graças ao fato de terem vesículas de gás, um mecanismo de adaptação para melhorar a fotossíntese e que lhes permite passar a vida flutuando", diz Rosa Rodríguez, bióloga marinha do Instituto de Ciências Marinhas e Limnologia da Universidade. .Nacional Autónoma do México (UNAM).





Enquanto o acúmulo descontrolado dessas algas é tóxico nas regiões costeiras, causando a morte em massa de muitas espécies marinhas, em alto mar elas desempenham um papel muito importante no equilíbrio ecológico. O Mar dos Sargaços, no Oceano Atlântico Norte, é um ecossistema único que fornece alimento e abrigo para centenas de espécies, algumas delas exclusivas deste habitat flutuante. Além de servir de plataforma de proteção e sustento da fauna marinha, a plataforma de algas constitui a passagem de migração de animais como enguias, tartarugas e baleias.


Por que se tornou um problema?

Ao atingir as costas de forma descontrolada, os mantos de Sargassum interferem na luminosidade dos ecossistemas, impedindo que a luz se filtre para o fundo do mar, o que é essencial para a biologia dos corais e para que outros tipos de algas realizem seu processo de fotossíntese. , afetando a biodiversidade do sistema que eles sustentam.



Uma qualidade do sargaço é sua facilidade de crescimento, podendo dobrar sua biomassa em menos de 20 dias se as condições forem favoráveis. Quando as macroalgas se decompõem na costa, consomem grandes quantidades de oxigênio, causando anóxia e emitindo gases tóxicos como sulfeto de hidrogênio e metano, muito perigosos para a saúde humana e responsáveis ​​pela morte em massa de muitas espécies.


O excesso de nitrogênio e fósforo do próprio processo de putrefação serve de fertilizante para que cresçam mais, gerando lixiviados, ácido sulfídico e arsênio, substâncias responsáveis ​​pelo pestilento e já comum cheiro de podre de alguns destinos turísticos. “Outro problema é a má disposição do sargaço, que acaba agindo como contaminante, assim como cádmio, chumbo e outros metais pesados, além de bactérias perigosas que contaminam o meio ambiente”, diz o especialista da Unam.


Por que é produzido e de onde se origina?

De acordo com as hipóteses mais fortes, as mudanças climáticas estariam por trás da disseminação e crescimento descontrolado do Sargaço . Há anos, vários estudos científicos alertam sobre como as mudanças nas correntes oceânicas devido ao derretimento dos polos e geleiras, e o excesso de fertilização de nutrientes nos oceanos estão favorecendo que esse fenômeno se torne cada vez mais comum.


As descargas e descargas de indústrias e agricultura na foz dos grandes rios da América do Sul, como o Amazonas e o Orinoco, cujos sedimentos e matéria orgânica são empurrados para o norte pelas correntes, fazem com que as macroalgas se reproduzam em velocidade recorde, proliferando explosivamente para criar o Great Equatorial Atlantic Sargassum Belt (GASB), um novo reservatório de macroalgas muito maior que o original e que está devastando as costas do Caribe. “É um exemplo claro de como as mudanças climáticas nos afetam direta e indiretamente”, esclarece o biólogo.


Quais regiões estão sendo afetadas?

Longe de ser um fenômeno isolado, afeta grande parte do Caribe. As praias de Belize, Honduras, Jamaica, Cuba, México, República Dominicana, Barbados ou ilhas como San Andrés, Guadalupe ou Martinica, entre outras, são afetadas pelo manto de algas todos os anos. "Mas as grandes chegadas de sargaço também chegaram ao litoral norte do Brasil e até mesmo à Flórida", destaca Rodríguez. Essa maré marrom não está afetando apenas o Caribe. Como explica o biólogo, "chegou ao Golfo do México muito antes, mas não em volumes tão altos".


“O primeiro relato da chegada do sargaço veio de pescadores locais e de um jornal em 2011”, diz Chuanmin Hu, oceanógrafo da equipe da Universidade do Sul da Flórida responsável pelo monitoramento do crescimento dessas florações marinhas, que começaram a rastreá-las no Golfo. do México em 2006.


Chegou para ficar?

Hu é o autor de uma investigação que em 2019 já alertava sobre como uma mudança no regime atual estava aumentando a possibilidade de que florações recorrentes no Atlântico tropical e no Mar do Caribe se tornassem a nova norma. “Os dados parecem indicar que a quantidade de sargaço que chega às costas está aumentando cada vez mais”, ressalta. Segundo Rodríguez, embora haja falta de informação sobre a biomassa que está chegando às diferentes regiões do Caribe, e que flutua a cada ano, "tudo parece indicar não apenas que o problema permanecerá, mas que se agravará e pior." ”.



Pode ser mitigado?

Desde que o problema foi apontado por ambientalistas e hoteleiros, os governos têm buscado formas de limpar suas praias afetadas para recuperar o turismo. Mas, como explica Rodríguez, os recursos investidos até agora não foram eficientes. “Por um lado, apenas um pequeno trecho da costa está sendo cuidado e ecossistemas que também são afetados pelo sargaço, como os manguezais e a selva, não estão sendo protegidos”, aponta.